Sabor da Saudade

14:45 Renata Kawane 1 Comments

aA pior bebida foi aquela música que tocou três vezes seguidas, que embriagou a minha alma com uma saudade absurda de você e deixou meu coração de ressaca!

Três vezes seguidas aquela música frisava seu nome mesmo sem dizer, foram doze minutos ouvindo meus pais falarem de como aquela letra parecia com a gente, foi a noite inteira de recordações.

Eu nem estava mais ali naquele casamento, estava ai do outro ladinho do mundo com você.

Comecei a reparar então que a decoração do casamento era todo branco e salmon. BRANCO E SALMON, tá entendo?! É como eu queria -quero- o meu casamento, e as rosas eram da cor salmão. AS ROSAS!
Pronto, foi o suficiente pra eu recordar de quando falávamos que íamos casar, dos planos que faziamos, e até -acredite se quiser- dos nomes que daríamos aos nossos filhos.

E apesar de curtir horrores a festa, fiquei meio perdida, porque por mais que captasse cada detalhe eu não ia te ver pra contar, e ficaria na incerteza se te encontraria no MSN.
Domingo aquele gosto ruim de bebida amarga que a saudade dá, estava em mim, mas suportei.

Mas foi na segunda... Ah a segunda, está me derrubou! Eu quis instalar o skype porque queria por um minutinho só, ouvir você dizer: Reh.
Eu quis te mandar um e-mail, um scrap, quase peguei um avião e fui ai, mas ainda não sou rica, logo me lembrei que estes dias de quando estava falando com você.

Mas como sempre não falei, e o tempo passou .. e não volta! O filho da mãe não volta mais, só voa e corre, como criança esfomeada!

Hoje estava vendo meu filme favorito, e que por tamanha coincidência lembra muito a nossa história. Só que a Jules - papel da Julia-Diva-Roberts - demorou nove anos pra dizer pro Michael que amava ele, e quando ela foi dizer já era tarde demais.

Assisti ele duas vezes –hoje- pra ver se mudava o final, mas não, tudo igualzinho! A nossa história não teve este fim!

Escutei uma música do Roupa Nova, não era a nossa, mas repetia baixinho pro meu coração: Eu te amo, e vou gritar pra tudo mundo ouvir!
Nós temos uma música, na verdade três! Uma que a vida escolheu, e duas que o destino se encarregou!

Fui tentar esquecer esta agonia, pela ausência da sua presença em minha vida vendo fotos do México, mas logo me lembrei de você me falando que por causa do meu amor rotulado pelo México, você aprendeu a gostar, e tinha um carinho por lá.

Conversando com minha mãe acabei tocando no assunto: Você!
Ela me olhou como quem diz: É pra sempre, né?!
E este ‘é pra sempre’ me soou tanta coisa.

Por isso hoje eu queria te pedir desculpa. Desculpa por eu ter sido boba, e mais uma infinidade de coisas, mas principalmente ... Desculpa por eu ter sido tão orgulhosa!

E antes que o momento passe: Eu te amo, e acho que talvez seja pra sempre!

P.s: Hoy no, hay tiempo de explicarte, también tenía ya mil cosas que contarte, y frente a mi.

1 comentários:

Tão profundo. Tão intenso. Tão vivo!