Por frases.

15:04 Renata Kawane 1 Comments

Darei hoje a chance de muitas pessoas me conhecerem , poucas conseguirão. Serei complexa.
Aqueles que conseguirem entender, serão merecedores.

Gosto de muitos escritores, e hoje vou colocar algumas frases deles (as quais eu me identifico muito).

As que estão em negrito, é porque são minhas citações favoritas. Aproveitem!



* Caio F. Abreu:

"Gosto das pessoas. Não sei me comunicar com elas, mas gosto de vê-las, de estar a seu lado, saber suas tristezas, suas esperas, suas vidas.


Talvez consiga acordar amanhã finalmente livre de tudo isso. Terei apenas um corpo, poucos pensamentos, todos pequenos.

Ler é alimento de quem escreve.

Pudesse abrir a cabeça, tirar tudo para fora, arrumar direitinho como quem arruma uma gaveta.

Talvez o mal é que a gente pede amor o tempo todo.

Tenho repetido que, no que depender de mim, me recuso a ser infeliz.

Quem me consola? Quem consola você, que me lê agora e talvez sinta coisas semelhantes? Quem consola este país tristíssimo?

O escritor é uma das criaturas mais neuróticas que existem: ele não sabe viver ao vivo, ele vive através de reflexos, espelhos, palavras.

Mas quero te contar umas coisas. Mesmo que a gente não se veja mais. Penso em você, penso em você com força e carinho.

Quando se deseja realmente dizer alguma coisa, as palavras são inúteis.

Não gosto de não entender o que sinto. Não gosto de lidar com o que não conheço.

Amor? Não sei. É meio paranóico. Parece uma coisa para enlouquecer a gente devagar.

Eu não quero ter vergonha de nada que eu seja capaz de sentir.

Não consigo mais aceitar relações pela metade. Em outras palavras, raspas e restos não me interessam.

Mas, e o humor? Porque esse talvez seja o único remédio quando ameaça doer demais: invente uma abobrinha e ria, feito louco, feito idiota.

Depois, um amigo me chamou para ajudá-lo a cuidar da dor dele. Guardei a minha no bolso. E fui.

Não me venha com meios-termos. Com mais ou menos ou qualquer coisa. Venha à mim com corpo, alma,vísceras, tripas e falta de ar.

Bem depressa, eu tinha que dizer ou fazer alguma coisa, só não sabia o quê.

Na minha memória - já tão congestionada - e no meu coração - tão cheio de marcas e poços - você ocupa um dos lugares mais bonitos.

Mudei muito, e não preciso que acreditem na minha mudança para que eu tenha mudado.

Amor é falta de QI, tenho cada vez mais certeza.

Não sei, deixo rolar. Vou olhar os caminhos, o que tiver mais coração, eu sigo.

Gosto quando a cabeça pára o maior tempo possível, caso contrário enche-se de temores, suspeitas, desejos, memórias."

  * Lya Luft:

"Não sou, nem devo ser, a mulher-maravilha, mas apenas uma pessoa: vulnerável e forte, incapaz e gloriosa, assustada e audaciosa.


A maturidade me permite olhar com menos ilusões, aceitar com menos sofrimento, entender com mais tranquilidade, querer com mais doçura.


Cada um tem de encontrar o jeito, a trilha: Aprender a ser senhor dos seus rumos.


Não acho que problemas devam ser ignorados. Mas há sempre o momento de parar para pensar, ou pensar menos e viver mais.


Gosto de ser otimista, mas não posso perder a visão da realidade, e nela não vejo nada deslumbrante.


Cada vez que respeitamos o outro com suas diferenças, seus dramas e necessidades, fazemos uma coisa boa.


A verdadeira democracia tem de oferecer a todos o direito de saber ler e escrever, pensar, questionar e escolher.


Tive amores que me fizeram crescer, me ensinaram algo de quem sou, me tornaram melhor, quem sabe, ou me fragilizaram mais.


Que se eu faço uma bobagem o outro goste um pouco mais de mim, porque também preciso poder fazer tolices tantas vezes.


Não acredito em mudanças neste tempo de ideologias confusas e cabeças loucas, tenho esperança em algumas transformações individuais.


Nada melhor do que agir com simplicidade, lucidez e alguma bem-humorada autocrítica, em qualquer posto e qualquer circunstância.


Quando eu era menina, a verdade parecia estar nos livros: Ali moravam as respostas e nasciam os nomes.


Acha graça de mim, que espero à frente encontrar a solução dos meus enigmas.


Dentro de minhas limitações pessoais e de minha condição individual, eu faço diferença, todos fazemos.

Perder, dói! Não adianta dizer NÃO SOFRA, NÃO CHORE; só não podemos ficar parados no tempo chorando."


* Clarice Lispector:

"Se você sabe conviver com pessoas intempestivas, emotivas, vulneráveis, amáveis, que explodem na emoção: acolha-me.



Às vezes me dá enjôo de gente. Depois passa e fico de novo toda curiosa e atenta. E é só...


O que me mata é o cotidiano. Eu só queria exceções.


Saudade é um dos sentimentos mais urgentes que existem.


Me perco, me procuro e me acho. E quando necessário, enlouqueço e deixo rolar.


Terei que correr o sagrado risco do acaso. E substituirei o destino pela probabilidade.


Suponho que me entender não é uma questão de inteligência e sim de sentir, de entrar em contato.


Onde aprender a odiar para não morrer de amor?


Mas tantos defeitos tenho. Sou inquieta, ciumenta, áspera, desesperança. Embora amor dentro de mim eu tenha.


Detesto coisas mais ou menos, não sei amar mais ou menos, não me entrego de forma mais ou menos.


E se me achar esquisita, respeite. Até eu fui obrigada a me respeitar.


Tenho que falar pois falar salva.


Não me convidem a ser igual, por que sinceramente sou diferente.


Eu escrevo pra nada e pra ninguém. Se alguém me lê é por conta própria e auto-risco.


E nasci para escrever. A palavra é meu domínio sobre o mundo


Por medo da loucura, renunciei à verdade. Minhas idéias são inventadas. Eu não me responsabilizo por elas.


Oh, não se assuste, às vezes, a gente mata por amor, mas eu juro que um dia a gente esquece, juro.


É preciso coragem para me aventurar numa tentativa de concretização do que sinto.


Fotografia é o retrato de um côncavo, de uma falta, de uma ausência.


Decifra-me, mas não conclua... Eu posso te surpreender.


Há verdades que nem a Deus eu contei. E nem a mim mesma. Sou um segredo fechado a sete chaves.


Sinto saudades de quem me deixou e de quem eu deixei! De quem disse que viria e nem apareceu.


Eu fiz tudo certo, só errei quando coloquei sentimento.


Tenho admiração nata por quem segue o coração.


Não grite, tenho o péssimo hábito de revidar."

1 comentários:

Lindo, lindo. Beijos! Te amamos!